Luigi Rotunno

AMOMA, o mais novo pesadelo dos hoteleiros

0 18

Passou quase despercebido devido ao mercado estar concentrado na briga de comissionamento da decolar.com que gerou uma tempestade entre os hoteleiros. AMOMA chegou como um vírus trojan, entrou em silencio e corrompeu o equilíbrio tarifário de centenas de hotéis sem ninguém perceber a tempo.

Domiciliada na Suíça, atualmente, não parece ter filial no Brasil, elemento obrigatório para vender no território. Os usuários se confrontam diariamente a problemas de falta de atendimento, dificuldade de devolução do valor, impossibilidade de troca da viagem e penalidades elevadas para qualquer imprevisto. Isso tudo, obviamente, sem respalde do código do consumidor brasileiro. AMOMA adota um comportamento totalmente disruptivo: “atuo e depois regularizo”.

Essa empresa atua buscando tarifas em vários channels managers seguindo percursos que estão deixando os hotéis de queixo caído, pois muito é extremamente difícil identificar a origem dessa tarifa. Resultado de uma parceria com o gigante Google Hotel Ads, AMOMA está literalmente entrando no mercado, publicando preços a baixo de qualquer concorrência e, sem margem de lucro. É isso mesmo! Sem markup nenhum e, às vezes, até mais baixo do que qualquer tarifa publicada.

AMOMA consegue, às vezes, capturar tarifas operadoras (net) e repassar para o público final. Se por qualquer eventualidade sua tarifa net estiver publicada em um canal de distribuição, ela “copia e cola”, sem margem de lucro, queimando totalmente seu preço de mercado. Inacreditável?!? Se você for hoteleiro aconselho verificar imediatamente sua tarifa nesse site de “piratas da hotelaria”. O método é simples, nada de investimento milionário em publicidade nos meta buscadores, mas ter sempre o melhor preço criando uma reputação da marca como sendo o canal mais econômico para viajar. Afinal, a maioria dos viajantes buscam preço na hora da transação de compra da hospedagem. O critério da qualidade eles conferem em outros portais, como Tripadvisor, por exemplo.

Recentemente AMOMA entrou em parceria com Trivago mostrando suas tarifas diretamente a um volume gigantesco de público final, estratégia essa que deve levá-lo a um forte crescimento. O mercado das tarifas hoteleiras está em plena tempestade e ninguém entende de onde sopra o vento. De quem a culpa? Difícil entender. O fato é que, encontram-se tarifas até 5x vezes superiores do mesmo produto, a depender do canal. Os channel managers tentam resolver essa questão equiparando as tarifas, mas pelo jeito, sempre tem uma novidade que vem bagunçar tudo. As tarifas são vítimas de alterações utilizando artifícios tais como: taxas ou comissionamentos que são expostos ao final da transação. Esse método era comum na venda de passagens aéreas, agora chegou à hotelaria!

Alguns boatos no mercado estão falando de uma nova OTA que deve aparecer no Brasil daqui alguns meses e, promete não cobrar markup dos hotéis, mas uma simples taxa por transação. A guerra da venda online continua para valer.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.