Luigi Rotunno

Resorts ou Cruzeiros? O que conta é o agente de viagem

0 42

É isso mesmo, o que conta é o mercado do agente de viagem. Resorts e cruzeiros são regularmente sujeitos a comparações devido ao número de leitos “flutuantes” que o mercado dos navios representa. Um estudo da FGV (Fundação Getúlio Vargas) mostra que, na temporada 2014/2015, as quatro armadoras presentes no Brasil somaram dez navios, com um total de 29.562 camas. Ele tem a grande vantagem de ser um número volátil, pois surge durante as temporadas e some no inverno, à procura de águas mornas para navegar e procurar turistas de outros países e continentes.

Pronto para oferecer seus leitos e infraestrutura nas regiões onde tiver Verão, os cruzeiros são verdadeiras “ilhas flutuantes” com as melhores mordomias possíveis. Sistema all inclusive, às vezes, dotados de cassinos e animações o tempo todo, tornam-se um mundo no meio do oceano. Para se ter uma ideia, o maior navio de cruzeiros que navega por águas brasileiras é o MSC Splendida. Com mais de 300m de comprimento, ele possui a dimensão de quase três campos de futebol enfileirados, é 20% maior que o famoso e lendário Titanic, e pode transportar até 5.733 pessoas, entre tripulantes e passageiros.

O sonho de cada administrador de resorts é realmente esse, poder descolar, em poucos dias, o próprio resort em qualquer lugar do mundo onde sempre tiver alta temporada! Já pensou, que maravilha? Porém, vamos deixar esse sonho para o próximo episódio do seriado “Fantasy Island”.

Mesmo com esse quadro maravilhoso que os cruzeiros representam, no Brasil, estamos longe de ter um litoral adaptado a esse tipo de turismo. Além da ausência total de portos turísticos adequados, o nosso litoral não é dos melhores para os cruzeiros, pois são monótonos devido às grandes distâncias e o pouco relevo da costa litorânea brasileira.

Já os resorts possuem um perfil totalmente diferente dos cruzeiros, devido às suas “âncoras” serem em terra firme, eles conseguem fidelizar o seu público. Atendem o ano inteiro o “Sr. Francisco” ou a “Sr.ª Maria”, criando um conceito de atendimento realmente personalizado. Existe coisa melhor do que voltar para um resort e ser reconhecido pelo barman que prepara seu drink do jeito que você gosta?

Essa é a magia dos resorts, a possibilidade do hóspede ser parte de uma história que se escreve ao longo do tempo; criar memórias que poderão ser compartilhadas e vivenciadas por seus amigos e parentes; recomendar suas férias para amigos queridos e as pessoas que ele ama; estreitar laços e fazer amizades. Passar férias em um resort não é ser apenas “mais um hóspede”, é ser “o hóspede”.

Entretanto, o ponto em que quero chegar não é avaliar se uma ou outra opção é melhor. O mercado do turismo brasileiro é comercializado, essencialmente, por operadoras e agências de viagens. Essas empresas precisam de produtos, a regra fundamental da sobrevivência do mercado do turismo. É indispensável para o nosso mercado que a parte da cadeia que cuida da comercialização dos produtos turísticos seja saudável e sólida. Em momento nenhum podemos esquecer esse aspecto, pois ali temos uma engrenagem vital da indústria do turismo, a venda.

Obviamente que, todos nós gostaríamos que as agências de viagens vendessem unicamente o nosso resort, mas isso também talvez aconteça no próprio episódio de “Fantasy Island”. A realidade é outra, os agentes precisam de uma variedade de produtos para compor suas vitrines e atrair passageiros. Assim, eles alimentam o sonho das pessoas em querer viajarem. Os agentes de viagem não são unicamente vendedores, mas geradores de sonhos. Claro que, se vendem resorts, nós somos gratos, viu!?

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.